domingo, 2 de dezembro de 2018

A ocultação de TYC 0141-01037-1 por 6 Hebe em 27 de dezembro 2018


Na madrugada de 27 de dezembro próximo, o asteroide (6) Hebe, ocultará a estrela TYC 0141-01037-1 de magnitude 11.9 na constelação de Monoceros, proporcionando uma rara oportunidade da realização do registro deste tipo de fenômeno aos observadores localizados em sua região de abrangência (Figura 1) apresentada abaixo (PRESTON, 2017).

 

Regiões de Abrangência

Numa rápida análise da figura acima, podemos observar que o evento mesmo iniciando na fase diurna do dia junto à costa da África do Sul, deixará o continente sul-americano numa posição favorável ao registro desta observação onde o Sol obviamente, ainda encontrar-se-á abaixo do horizonte.

A figura 2 (Google, 2017) indica que a projeção da sombra, recairá sobre a região do oceano atlântico junto à costa do Brasil, tendo por término uma remota região do oceano pacífico a 1600 km das ilhas havaianas;  assim sendo, toda essa região torna-se muito favorável para as observações deste fenômeno.


Uma vez na superfície deste continente, ela recairá sobre as seguintes regiões: Brasil: (Bahia) Amargosa, Boquira, Brotas de Macaúbas, Cachoeira, Cafarnaum, Gandu, Ibicoara, Ibirataia, Ipirá, Irecê, Itaberaba, Itacaré, Ituberá, Jequié, Lençóis, Manoel Vitorino, Mucugê, Mundo Novo, Nazaré, Salvador, Santa Teresinha, Santo Antônio de Jesus, Seabra, Ubatã, Valença, Wagner e Xique-xique; (Tocantíns) Araguacema, Guaraí, Miracema do Tocantins, Mateiros, Miranorte, Palmas, Paraíso do Tocantins e Pedro Afonso; (Maranhão) Baixa Funda, Boca da Mata, Campeira, Cantão, Ferrugem, Lagoa Seca, Morros, Taboca e Tranqueira; (Pará) Conceição do Araguaia, Novo Progresso, Redenção e São Félix do Xingu; (Piauí) Barreiras do Piauí, Corrente, Cristalândia do Piauí, Júlio Borges, Parnaguá, Riacho Frio e Sebastião Barros; (Amazonas) Alvarães, Anamã, Autazes, Borba, Codajás, Entre Rios, Fonte Boa, Manacapuru, Manaus, Maraã, Nova Olinda do Norte, Novo Aripuanã, São Gabriel da Cachoeira e Uarini. Colômbia: Calamar, Cartagena del Chairá, Carurú, Florência, Garzón, Gaitania, Guacaya, Jamundi, La Macarena, La Pedrera, Miraflores, Mirití-Paraná, Neiva, Pacoa, Popayán, Pitalito, San Agustin, Santiago de Cali e Yavaraté.

(6) Hebe e TYC 0141-01037-1

No caso desta ocultação, a luz combinada do asteroide e da estrela cairá em 0.04 magnitude, chegando a 8.40 igualando a de (6) Hebe num período de tempo estimado em 16.8 segundos; em sua ultima oposição ocorrida em 12 de junho de 2016, (6) Hebe encontrava-se com uma magnitude visual estimada em 11.82 na constelação de Ophiuchus.

Como demonstra seu número em ordem de nomeação indicado acima entre parênteses, 6 Hebe foi descoberto em 01 de julho de 1847 pelo astrônomo amador alemão Karl Ludwig Hencke (1793 - 1866) no Observatório de Dricsen. Seu nome é uma homenagem à deusa da juventude, Hebe, filha de Júpiter e Juno. Hércules a esposou no céu. O nome foi proposto pelo astrônomo Gauss. (MOURÃO, 1987).

Muito pouco se sabe sobre TYC 0141-01037-1 que embora se encontre na constelação de Monoceros, poderá ser facilmente localizada se utilizarmos como referências as estrelas: 8 Epsilon Mon de magnitude 4.44 uma múltipla de classe e tipo espectral A5IV; 12 Mon de magnitude 5.84 e classe espectral K0V, bem como ainda a espetacular Nebulosa Roseta (NGC 2237 = Rosette Nebula) de magnitude 5.0 respectivamente, conforme carta de busca apresentado na figura 3.


Suas coordenadas equatoriais (ascensão reta e declinação astrométricas da Missão Gaia (http://www.cosmos.esa.int/gaia)  são: AR: 06 24 02.8752  Decl: +05 16 07.644 respectivamente.

Segundo o observador brasileiro Antonio Padilla Filho (REA/Brasil), o registro das ocultações por observadores não-profissionais não tem muitos adeptos no nosso país. O campo é fértil para a produção de dados precisos se forem utilizados equipamentos adequados, que hoje estão ao alcance de qualquer pessoa que tenha interesse e o mínimo de recursos (PADILLA FILHO, 2016).

Sites recomendados:

"Como observar"
"formulário de reporte"
(ocultações de estrelas por asteroides).

No Facebook:

“Ocultações Astronômicas”.

Este grupo destina-se à divulgação e discussão de eventos astronômicos na área de 'Ocultações'. Ocultações de estrelas e planetas pela Lua, ocultações de estrelas por asteroides e as técnicas empregadas para o registro destes eventos.

Boas Observações!

Referências:

MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica. Rio e Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1987,  914P.

- CAMPOS, Antônio Rosa. Almanaque Astronômico Brasileiro 2018. Belo Horizonte: Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), 2017. 136p. Disponível em: < https://goo.gl/kniuMW> Acesso em 02 Dez 2017.

- PADILLA FILHO, Antonio. Sky and Observers, A ocultação de TYC 5667-00417-1 por 236 Honoria. Disponível em: http://goo.gl/l7n3Z8, Acesso em 22 maio 2017.

- HERALD, Dave. Occult4 v4.1.0.27 (24 March. 2014) Uptade v4.2.0 available in: <http://www.lunar-occultations.com/occult4/occultupdate.zip> Acess in 21 Abr. 2017.

- PRESTON, Steve. (Steve's Asteroid Occultation Index Page) Availabe in: < <http://www.asteroidoccultation.com/2018_12/1227_6_57608.htm> - Acess in: 25 June 2017.

- FERNIQUE, Pierre. Centre de Données astronomiques de Strasbourg [CDS]: Aladin Sky Atlas - <http://cdsportal.u-strasbg.fr/?target=TYC 0141-01037-1> - Acess in 28 June 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Almanaque Astronômico Brasileiro de 2019!

Nobres amigos (as)! Novamente alegro-me em informar-lhes que já se encontra disponível para download o "Almanaque Astronômico - 20...