domingo, 30 de outubro de 2011

O Retorno do ATLAS

O retorno do ATLAS!
Breno de Castro Campos
brenocastro31@yahoo.com.br
CEAMIG


Leitores,

Após um longo tempo em trabalho de reestruturação (Overhaul), um dos maiores e mais importantes telescópios existentes no Brasil está prestes a retomar suas operações para solo das Minas de Ouro. O ATLAS ( Amateur telescope Laboratory for Astronomical Science) retornou a seu casa no municipio de caeté (Serra da Piedade) MG, aproximadamente 60 Km de Belo Horizonte.


O telescópio, inicialmente projetado com uma montagem Dobsoniana (Madeira), ganhou no decorrer de todo o trabalho, uma montagem Split-Ring totalmente em metal anticorrosivo, para equipar o prédio roll-off-loof de 6 metros no Obervatório Wykrota [859] (Wykrota Observatory - CEAMIG) que pertence ao CEAMIG.



O telescópio é o terceiro maior do Brasil, tem uma abertura de 635 mm (25") f/4 numa montagem newtoniana. O espelho principal foi adquirido de Swayze Optical (EUA), tem 50 mm de espessura e pesa 73 libras. A distância focal informada pelo fabricante (gravada na lateral do bloco) é de 99 1/8". É o maior pertencente a um grupo de astrônomos e sem qualquer incentivo do governo.


O telescópio ainda terá nova pintura e sua automação 100% própria feita pela equipe GAT (Grupo de Automação) do CEAMIG juntamente com alguns dos participantes do projeto, antes de abrir totalmente o olho do gigante para o céu no Brasil.

Veja o link abaixo:

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Queima de motor da Phobos-Soil em órbita será visível da América do Sul

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB

Essa é sem dúvida uma excelente oportunidade para todos aqueles gostam de observar o céu acompanharem um espetáculo único. E uma a queima real em órbita terrestre do veículo lançador que levará a espaçonave Phobos-Soil a órbita de marte. Esse evento será visível no Brasil e em grande parte do continente americano.

Trata-se do motor da Phobos-Soil. É uma espaçonave russa que objetiva recolher uma amostra do solo de Phobos, um dos satélites naturais de Marte. Essa nave será lançada de Baikonur por um foguete Zenit-2 no próximo dia 08 de novembro próximo às 20:25 (TU).

Essas queimas ocorrerão na noite do dia 08/09 de novembro às 20:55:47 HBV (22:55:47 TU) - 23:02:18 HBV (01:02:48 TU) (Horário Brasileiro de Verão); muito embora a nave tenha uma magnitude estimada entre 4 ou 5, essa queima será visível a olho nu, sendo que a primeira será visível do sudeste ao nordeste do Brasil e a segunda na região norte.

O Instituto de Pesquisas Espaciais russo solicita a todos os possíveis observadores na América, Caribe e Bermuda, a possibilidade do envio de filmagens em vídeo ou CCD. No instante do primeiro evento, a nave espacial estará a uma altitude de cerca de 240 km e a 280 km de altitude no final.

Na segunda queima, terá a nave uma órbita de maior altitude, conseqüentemente a área de sua visibilidade será ainda maior, isso inclui a Amazônia e toda a parte noroeste da América do Sul, também o norte do Chile (máxima altitude será de 8 graus em Cerro Paranal), (máxima altitude e altura de 1º em San Jose, Costa Rica), grande parte do Mar do Caribe (máxima altitude 28° graus em San Juan, Panamá), Bermuda (máxima altitude 16° graus), mas apenas quatro graus em Miami, USA.

A segunda queima, inicia-se às 23:02:48 (HBV) 01:02.48 (TU) portanto já em 09 de novembro, quando a nave estará numa altitude de 580 km e termina às 23:20:09 (HBV) 01:20.09 (TU) 09 de novembro respectivamente; sua altitude nesse instante será de 1.060 km.

O mapa fornecido pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (figura. 1) pode ser acessado também em: http://www.poyntsource.com/New/Dunham.htm.


A Espaçonave Phobos-Soil

A Espaçonave Phobos-soil (Figura 2) é uma missão não tripulada da Agência Espacial Federal Russa que tem por objetivo, pousar no satélite natural Phobos e retornar a Terra com uma amostra de solo. Também conhecida como “Phobos-Grunt" ("grunhido" é o significado da palavra em russo), ou "PhSRM" para Phobos Sample Return Mission.


A China em Marte

Outra grande novidade da Phobos-Soil será a oportunidade de exploração de Marte pela China, uma vez que neste lançamento estará a bordo a primeira sonda marciana Yinghuo-1. Esta no final de 2012 separa-se e entrará numa órbita equatorial de 800 x 80.000 km, devendo permanecer em por 2 anos realizando estudos do ambiente externo de Marte, sua superfície, atmosfera, ionosfera e campo magnético.

A carga que a Sociedade Planetária vai enviar, chamada LIFE (Living Experiment Living Interplanetary Flight Experiment), ou vida, terá 10 tipos de microorganismos e uma colônia de micróbios naturais coma finalidade de avaliar, (tanto na ida quanto na volta), a sua capacidade de sobreviver ao ambiente espacial.

domingo, 23 de outubro de 2011

Tormenta de Cometas en Eta Corvi

Imagem crédito: NASA/JPL-Caltech

Dpto. de Publicaciones
SECCION COMETAS LIADA
http://cometas.liada.net
cometas.liada@gmail.com
"52 Años ... Semper Observandum"

Tormenta de Cometas en Eta Corvi: Esta concepción artística ilustra una tormenta de cometas alrededor de una estrella cercana al Sistema Solar llamada Eta Corvi. La evidencia de este bombardeo viene del Telescopio Espacial Spitzer de la NASA, cuyos detectores de infrarrojo han recogido indicios de que uno o más cometas se rompieron en pedazos menores poco después de impactar con un cuerpo rocoso. En esta concepción del artista, un cometa gigante se muestra estrellándose contra un planeta rocoso, arrojando hielo y polvo rico en carbono al espacio, al mismo tiempo liberando el agua y los compuestos orgánicos en la superficie del planeta. Un brillante destello rojo capta el momento del impacto sobre el planeta. Eta Corvi estrella blanco amarillenta se la muestra a la izquierda, con más cometas hacia ella. Spitzer detectó las firmas espectrales del hielo de agua, de materia orgánica y de roca alrededor de Eta Corvi -todos ingredientes claves de los cometas-. Esta es la primera vez que la evidencia de una tormenta de cometas ha sido vista alrededor de otra estrella. Eta Corvi tiene la edad adecuada, unos mil millones de años, y que está experimentando un bombardeo de cometas; similar a lo que ocurrió en nuestro propio sistema solar a la edad de 600 a 800 millones de años, llamado el Bombardeo Pesado Tardío. Los científicos dicen que el Bombardeo Pesado Tardío fue provocado en nuestro sistema solar por la migración de los planetas exteriores, que empujaron y enviaron a los cometas de hielo sobre el interior solar. Los cometas entrantes marcaron nuestra Luna y los planetas interiores. Es posible que incluso han llevado materiales de la Tierra y que ayudó básicamente a poner en marcha la vida.
http://www.jpl.nasa.gov/news/news.cfm?release=2011-322

Ampliando la nota del JPL de la NASA:

http://www.jpl.nasa.gov/news/news.cfm?release=2011-322&cid=release_2011-322&msource=11322&tr=y&auid=9719493

El telescopio Espacial Spitzer ha detectado signos de cuerpos helados que llueven en un sistema solar lejano. El aguacero se asemejaría a lo vivido en nuestro propio sistema solar hace varios miles de millones de años, durante un período conocido como el “Bombardeo Pesado Tardío”, que pudo haber traído el agua y otros ingredientes que luego forman la vida en la Tierra.

Durante esta época, los cometas y otros objetos helados fueron arrojados desde el exterior del sistema golpeado a los planetas interiores. Esa andanada marcado nuestra Luna y producido grandes cantidades de polvo.

Lo concreto es que ahora Spitzer ha detectado una banda de polvo alrededor de una estrella brillante en el cielo del norte llamada Eta Corvi, que coincide con el contenido de un cometa gigante destruido. Este polvo se encuentra lo suficientemente cerca de Eta Corvi donde mundos como la Tierra puedan existir, lo que sugiere que una colisión ocurrió entre un planeta y un cometa o más.

El sistema de Eta Corvi tiene una edad de aproximadamente mil millones de años y que los investigadores creen que es la edad adecuada para una tormenta de granizo espacial. Creen que tienen una evidencia directa de un Bombardeo Pesado Tardío en curso en el cercano sistema estelar de Eta Corvi y que ocurrió casi en el mismo tiempo que en nuestro sistema solar, dijo Carey Lisse, científico investigador senior de la Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory en Laurel , Maryland, y autor principal de este artículo que detalla los hallazgos.

Los resultados serán publicados en el Astrophysical Journal. Lisse presentó los resultados en una reunión planetaria en el Centro Goddard de Vuelo Espacial de Greenbelt, Maryland (EEUU), el 19 de octubre. Los astrónomos usaron los detectores infrarrojos de telescopio Spitzer para analizar la luz que viene del polvo alrededor de la estrella Eta Corvi.

Las Huellas dactilares de ciertos químicos se observaron, incluido del hielo de agua, materia orgánica y de rocas, lo que indicaría una fuente de cometas gigantes. La firma espectral de la luz emitida por el polvo alrededor de Eta Corvi también se asemeja a la del meteorito de “Almahata Sitta”, que cayó a la Tierra en 2008 en Sudán. Las similitudes entre el meteorito y el objeto detectado en Eta Corvi implica una cuna común en ambos sistemas solares. Un segundo anillo, más masivo de polvo frío ubicado en el extremo más lejano del sistema de Eta Corvi, parece que es el entorno adecuado para un depósito de cuerpos cometarios. Este anillo brillante, descubierto en 2005, se cierne alrededor de 150 veces la distancia de Eta Corvi, como la Tierra está del Sol.

Nuestro sistema solar tiene una región similar, conocida como el Cinturón de Kuiper, donde los restos helados y rocosos de la formación de los planetas permanecen hoy. Los nuevos datos del Spitzer sugieren que el meteorito Almahata Sitta se pudo haber originado en nuestro Cinturón de Kuiper. El cinturón de Kuiper fue el hogar de un número mucho mayor de estos cuerpos congelados, colectivamente llamado objetos del cinturón Kuiper. Unos 600 millones de años después que se formó nuestro sistema solar, los científicos creen que el Cinturón de Kuiper fue perturbado por una migración de los planetas gigantes gaseosos Júpiter y Saturno.

Este cambio discordante con el equilibrio gravitatorio del sistema solar dispersó a los cuerpos helados del Cinturón de Kuiper, lanzando la gran mayoría al espacio interestelar y la producción de polvo “frío” en el cinturón. Algunos de los objetos del Cinturón de Kuiper, sin embargo, se establecieron en los caminos que cruzaban las órbitas de los planetas interiores. El bombardeo resultante de los cometas se prolongó hasta los 3.800 millones de años. Después del impacto de cometas en el lado de la Luna que mira hacia la Tierra, el magma se filtró fuera de la corteza lunar, con el tiempo del enfriamiento en terreno oscuro llamados “maria”. Si se comparan con las áreas más claras alrededor del suelo lunar, los “mares” constituyen el distintivo rostro de la Luna. Los cometas también chocaron con la Tierra o se incineraron en nuestra atmósfera, y se cree que han depositado el agua y el carbono en nuestro planeta.

Este período de los impactos podrían haber ayudado a “formar la vida” mediante la entrega de sus ingredientes esenciales. Creen que el sistema de Eta Corvi debe ser estudiado en detalle para conocer más sobre la lluvia de cometas impactando y de otros objetos que puedan haber dado el comienzo de la vida en nuestro planeta, dijo Lisse.

sábado, 1 de outubro de 2011

O céu do mês - Outubro 2011

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil – AWB

Outubro de 2011 terá logo em seu início uma bela conjunção envolvendo Antares e a Lua, quando então, este par estará a 3,9º de distância aparente entre si. Protagonizando seus espetáculos, no dia 13 ela estará ao lado do gigante planeta Júpiter; este por sua vez estará em oposição em 28 de outubro (hora de Brasília). Já nossos amigos observadores da Oceania poderão nesta mesma data, acompanhar uma ocultação diurna do Planeta Mercúrio pelo disco lunar, Veja na tabela 1 (abaixo) a listagem desses fenômenos e anteveja o aspecto da esfera celeste, o que estará aguardando nossas certeiras observações, chamando a atenção dos observadores brasileiros para a vigência do Horário de Verão (vide nota).


Nota:

Às 00:00 H de Brasília (03:00 TU) do dia 16 de outubro próximo, reinicia-se o Horário de Verão em parte do território brasileiro. Ele permanecerá vigorando nas regiões determinadas pelo Decreto n° 6.558 de 08 de Setembro de 2008, até às 00:00 H de Brasília (03:00 TU) do dia 26 de fevereiro de 2012, quando então terminará a vigência desta determinação neste período.

Assim sendo, as regiões afetas são: a) – SUL, estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná; b) SUDESTE, estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais e, c) CENTRO-OESTE, estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.

Aspecto do céu as 21:00 (hora de Brasília) em 15 de outubro de 2011

A Ocultação diurna de Mercúrio pela Lua

Os observadores residentes numa faixa de + 90° à – 135° de longitude; 11° N e 51° S de latitude, poderão monitorar uma ocultação diurna de do planeta Mercúrio pela Lua. Este evento será observado nos oceanos pacífico e indico; sendo que em terra firme, poderá ser acompanhado das seguintes localidades: Austrália, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, Jacarta, Brunei, Malásia, Indonésia e extremo sul do Camboja e do Vietnã (figura 2).


Planetas, Asteróides e Cometas!

Mercúrio = Exceto na ocultação diurna prevista para 28 de outubro, ficará praticamente impossível a observação desse planeta, localizado em Virgo (Virgem) até o dia 18 com uma magnitude de -1.4 ele se posicionará em Libra (Balança) até fim do mês com uma magnitude de -0.3.

Vênus = Acompanhando o diminuto Mercúrio, esse planeta estará também em Virgo com uma magnitude de -3.9, permanecendo ali até 15 de outubro, quando também se posicionará em Libra o até o fim do mês permanecendo sua magnitude inalterada.

Marte = Encontrando-se no princípio deste mês na constelação de Câncer (Caranguejo) com a magnitude de 1.3, a cada dia vez despontando no meio das madrugadas. Ele permanecerá nesta constelação até o dia 19, quando então ingressará na constelação de Leo (Leão). Marte vem aumentado de forma gradativa sua magnitude, chegando ao fim deste mês em 1.1.

Júpiter = Na constelação de Áries (Carneiro) com sua magnitude de -2.8 neste início de mês vem próxima sua oposição (ver: A Oposição de Júpiter em 2011). Pessoalmente é muito gratificante ver esse planeta (eu o considero: “planeta de trabalho”, pois durante algum tempo, realizei observações e registros cronometrando os eventos mútuos destes satélites) dominando o céu noturno. Vejam abaixo a excelente fotografia que foi realizada pelo astrônomo João Amâncio Ferreira Júnior do CEAMIG em 28/08/2011 às 06h00min (TU). A sombra sobre a superfície joviana é de Ganimedes; segundo ele informa ainda, apesar da noite sem nuvens, a atmosfera estava muito agitada. Ele utilizou a seguinte nomenclatura para os satélites galileanos: Io – I, Europa – II e Ganimedes III.

Saturno = Agora mergulhado na claridade do dia, Saturno estará dia 13 próximo em conjunção com o Sol; posicionado neste mês na constelação de Virgo (Virgem) deverá permanecer por um longo período nesta faixa do céu, permanecendo sua magnitude em 0.8.

Urano = Esse planeta tem despertado bastante interesse nos observadores do CEAMIG aqui no Brasil, pois no último Star Party realizado no Observatório Wykrota em 27 de agosto último, utilizando um telescópio Obsession 18"UC, conseguimos facilmente detectar os satélites Titânia (III), magnitude de 13.9 e Oberon (IV) com magnitude de 14.2 respectivamente. Ele encontra-se na constelação de Pisces (Peixes) com magnitude de 5.7.

Netuno = Netuno foi facilmente percebido no telescópio Obsession 18"UC nesta mesma noite de observação no Observatório Wykrota, juntamente com seu satélite Tritão de magnitude 13,5. Ele permanece com uma magnitude de 7.9, encontrado na constelação de Aquarius ainda próximo as estrelas 33 Aquarii (4.2), 38 Aquarii (5.4), HD 210151 (7.3) e HD209490 (7.4).

Ceres e Plutão = Ambos planetas menores encontram-se em posições bastante favoráveis de observação para aqueles que possuem um bom instrumento ótico. Ceres que neste início de mês possui uma magnitude (7.8), após sua oposição sofrerá uma queda de magnitude (estimada em 8.3) quando no final do mês, permanecendo na constelação de Aquarius. Plutão (14.1) permanece na constelação de Sagittarius (Sagitário), onde permanecerá pelo menos até sua conjunção com o Sol em 29 de dezembro próximo.

Asteróides

A magnitude estimada em 9.3 para esta oposição do asteróide (27 ) Euterpe, o torna um desafio interessante aos observadores mais atentos; uma boa referência para sua busca será localizar a estrela 14 Ceti (5.9) na constelação de Cetus (Baleia), você poderá ainda, utilizando um bom telescópio e afastado da poluição luminosa dos grandes centros urbanos, encontrar naquela área do céu o cometa P/1996 R2 Largerkvist, com uma magnitude estimada em 16.5.

Cometas

Já deixando o 45P/Honda-Mrkos-Pajdušáková aos cálculos, observamos no Observatório Wykrota de forma despretensiosa o C/2009 P1 (Garradd). Foi incrivelmente perceber nesta jornada observacional de 27/08, como é seu aspecto através da ocular, ele me surpreendeu positivamente, pois não o esperava tão brilhante e isso é animador, embora as condições climáticas no hemisfério sul não sejam favoráveis, até o restante do ano. Ficará uma grande expectativa então para o cometa P/2006 T1 (Levy) neste final de ano.

Constelação:


Quando nos referimos a Aquarius (Aquário), estamos de certa forma citando uma parte do céu onde localiza-se as constelações cujos nomes tem em comum a água. Também aí poderemos encontrar alguns brilhantes tesouros como é o caso do aglomerado globular M 2. Segundo Ronaldo Mourão (1987), com uma luneta de 20 cm é possível observar este aglomerado, visto que é um dos mais ricos e compactos aglomerados globulares. M 72 é um Aglomerado globular e possui uma magnitude de 9.4, enquanto que M 73 cuja magnitude está em torno de 8.9 é um aglomerado aberto existente nesta constelação composto por grupo de estrelas. Não posso deixar de citar a nebulosa planetária NGC 7009 ou Saturn Nebula, localizada nas imediações com uma magnitude de 8.3, bem como também a Nebulosa Planetária da Hélice NGC 7293, com uma magnitude de 6.3 que pode ser visualizada num céu escuro livre da poluição luminosa com um bom binóculo 7 x 50.

Chama a atenção ainda as estrelas duplas 55 zeta 1 Aqr (mag. 4.5) e 55 zeta 2 Aqr (mag. 4.4), ambas do tipo espectral F2 são brancas semelhantes, entretanto 91 Aquarii (4.2) é um sistema estelar múltiplo, sendo que os demais componentes (B e C) desse sistema possui movimento próprio comum (diferentes da componente A); ambas estrelas estão se movendo pelo espaço juntas.

Boas Observações!

Referências:

- Mourão, Ronaldo Rogério de Freitas - Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica, Ed. Nova Fronteira, Rio de Janeiro (RJ) - 1987, 914 P.

- Campos, Antônio Rosa - Almanaque Astronômico Brasileiro 2011, Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais) Belo Horizonte (MG) - 2010, 93P.

- Burnham, Robert Jr. – Burnham´s Celestial Handbook (23567-X, 23568-8, 23673-0)– An Observer´s Guide to the Universe beyond the Solar System – Vol. One – Dover Publications, Inc. New York – USA, 1978.

Campaña Octobre 2011

CAMPAÑA OCTUBRE 2011

SECCION MATERIA INTERPLANETARIA: METEOROS Y BOLIDOS LIADA

Este mes de Octubre las Dracónidas y las Oriónidas serán las lluvias de meteoros protagonistas.

DRACÓNIDAS


Nota preparada por Josep M. Trigo, Jordi Cortés, Joan Dergham.

LA RED DE INVESTIGACIÓN SOBRE BOLIDOS Y METEORITOS DE ESAPAÑA (SPMN) PLANEA UNA CAMPAÑA PARA EL ESTUDIO CIENTÍFICO DE LAS DRACÓNIDAS

La próxima noche del 8 al 9 de Octubre de 2011, que justo coincide ser la del sábado al domingo, podría ocurrir uno de los acontecimientos astronómicos más importantes de la década: una tormenta de meteoros. Diversos nodos de la Red de Investigación sobre Bólidos y Meteoritos (SPMN), en particular el Instituto de Ciencias del Espacio (CSIC-IEEC) y el Laboratorio de Estudios Geofísicos Eduard Fontseré (LEGEF-IEC) , estarán muy pendientes de esa lluvia meteórica y la aprovecharán para seguir divulgando este curioso e interesante fenómeno, una prueba de la continua aportación de material cometario a la Tierra. Esa noche del 8-9 de octubre entre las 19h y 22h TUC (la Tierra atravesará varios filamentos de partículas emitidos por el cometa 21P/Giacobini-Zinner durante varios pasos por el perihelio que realizó durante el siglo XIX. Este cometa es de gran interés por ser un objeto periódico (completa su órbita cada 6.62 años) y poseer una composición química peculiar, aparentemente rica en materia orgánica. Este cometa produce la lluvia de meteoros de las Dracónidas que no destaca ni es conocida por una gran actividad anual pero revela de vez en cuando un comportamiento bastante irregular. Sin embargo, algunos años las Dracónidas nos sorprenden con aumentos en su tasa de meteoros proporcionando impresionantes lluvias de meteoros.

Para leer la nota completa en: http://www.spmn.uji.es/ESP/noveda91.html

Observaciones desde Sudamérica:

“Amigos de LIADA desde Sudamérica podréis ver bastantes meteoros siempre y cuando tengáis el radiante sobre el horizonte local en el intervalo indicado (8 Oct. Entre 17h-22h GMT) y la Tierra intercepte las diversas cortinas del 21P/Giacobini-Zinner. La tasa horaria real dependerá de esa altura sobre el horizonte del radiante y vuestra Magnitud Límite Estelar:"

Josep M. Trigo

ORIÓNIDAS

Octubre es el mes del encuentro de nuestro planeta con un chorro de partículas dejados a su paso por el famoso cometa Halley, cuyos corpúsculos nos brindan una lluvia de meteoros muy interesante en una de las constelaciones más conocidas: Orión

Este lluvia de meteoros presentará su máxima actividad la madrugada y la noche del 21 de octubre cuando puede llegar a presentar 30 meteoros / hora-

Los meteoros (ORI) Oriónidas parecen cortos y débiles cuando los vemos muy de frente. En vez de ello, mire hacia alguna región oscura del cielo a unos 90 grados del radiante. Así verá la misma cantidad de Oriónidas, pero le parecerán más largos y atrayentes. Las colas de todos los meteoros de Oriónidas, no importan donde aparezcan, apuntarán hacia el radiante en Orión. Esos meteoros a veces dejan "trazos" (residuos incandescentes de la estela del meteoro). Su velocidad es de 66 Km/seg. La zona a observar es AR=94º, Dec=+15º.

El mes de Octubre podemos centrar nuestra atención en esta lluvia y realizar la mayor cantidad de horas de observación toda la segunda quincena del mes, con mayor interés luego del día 21 por la madrugada.

Para octubre tenemos otras lluvias menores como las (OCC) Capricórnidas de octubre en: AR=303º, Dec=-10º con un THZ de 3 meteoros, del 1 al 14 del mes, el máximo es el 3, un cielo sin Luna este año que favorecerá esta observación.


Las épsilon (EGE) Gemínidas en: AR=104º, Dec=-27º del 14 al 27 de octubre con un THZ de 2 meteoros siendo su máximo el 18 de octubre.



Prestos a cualquier consulta, les deseamos excelentes cielos.

***************************************************
Pável Balderas Espinoza
Coordinador General
pavelba@hotmail.com
Tarija-Bolivia

Dr. Josep M. Trigo
Co-Coordinador
trigo@ieec.uab.es
Barcelona-España
****************************************************

A Oposição de Júpiter em 2011


Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB

Agora é a vez do gigantesco Júpiter! Após as oposições dos gigantes gasosos Saturno (03 abril), Netuno (22 agosto) e Urano (29 setembro), o imponente e massivo planeta estará emoldurando o céu noturno com uma excepcional oposição em 28 de outubro (Carta de Busca e Efemérides abaixo). Conhecido desde a antiguidade e também vislumbrando seus observadores em todo o mundo (de Galileu Galilei aos astrônomos contemporâneos), Júpiter (assim como Saturno quando céu noturno), com a mais absoluta certeza, será o centro das atenções neste período em qualquer Star Party.

O Planeta

E este ano não será diferente. Júpiter chegará a uma distância mínima da Terra de 3.9697744 UA (595.466.160 milhões de Km), distância essa uma das menores dos últimos 30 anos, superada apenas na sua fantástica oposição de 26 de setembro de 2022, quando então esse planeta estará à distância de 3.9525634 UA ((vide nota 2)). Alcançando uma magnitude de -2.9, ele perderá em brilho somente para Vênus e a Lua, quando visíveis no céu.

A região celeste a qual poderemos encontrar Júpiter e bem conhecida dos astrônomos. Certamente ele ao juntamente com as conhecidas estrelas conhecidas das constelações de Áries, Pisces e Cetus definirá no céu belas conjunções.


Satélites galileanos

Além da sua dinâmica superfície, chama a atenção de qualquer observador a dança diária de seus principais satélites naturais Io, Europa, Ganimedes e Callisto; esse fantástico quarteto apresenta formações e eventos mútuos entre si, que também envolvem o disco do planeta. Assim essa dinâmica pode ser acompanhada utilizando-se uma luneta acima de 70 mm de abertura.

Vejam nas duas fotografias realizadas pelo amigo João Amâncio Ferreira Júnior do CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais) o registro fotográfico em ocasiões distintas da configuração: Júpiter - Satélites.

Assim sendo, pode-se definir tranquilamente para compor suas efemérides e acompanhamento gráfico num diagrama de saca-rolhas, as seguintes definições e nomenclaturas:

Satélites:
1 ou I = Io;
2 ou II = Europa;
3 ou III = Ganimedes;
4 ou IV = Callisto;

Fenômenos
Ec = Eclipse do satélite pela sombra do disco do planeta;
Tr = Trânsito do satélite pelo disco do planeta;
Sh = Trânsito da sombra do satélite pelo disco do planeta;
Oc = Ocultação do satélite pelo disco do planeta;
I = Imersão;
E = Emersão;
D = Desaparecimento;
R = Reaparecimento.


Nota: 1

Em função da distância a Terra, os satélites galileanos apresentam as seguintes magnitudes: Io = 5.5; Europa = 6.1; Ganimedes = 5.1 e Callisto = 6.2.







Nota: 2


(UA) Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

Você pode utilizar essas efemérides publicadas no Almanaque Astronômico de 2011, fazendo gratuitamente o download no seguinte link:

http://www.ceamig.org.br/5_divu/alma2011.pdf


Certamente, a edição dos eventos que envolvem a dinâmica de Júpiter e seus principais satélites, já está garantida em forma de efemérides nas futuras edições desta mesma publicação.

Boas Observações!

Referências:

- Almanaque Astronômico Brasileiro – 2011 – Antônio Rosa Campos – CEAMIG – Dez 2010; 93p.

O Asteroide (68) Leto em 2011

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB

Em 11 de novembro próximo, o asteroide (68) Leto estará em sua máxima aproximação a Terra, quando então sua magnitude chegará a 9.6, portanto já dentro dos limites de magnitudes observáveis de pequenos instrumentos óticos, binóculos, lunetas e telescópios. A tabela abaixo apresenta suas efemérides e bem como uma carta celeste de busca, objetivando sua localização nos próximos dias.


Como demonstra seu número em ordem de descoberta, Leto foi descoberto em 29 de abril de 1861 pelo astrônomo alemão Robert Luther (1822 - 1900) no Observatório de Dusseldorf. Seu nome é uma homenagem á filha do titão Cocus com a titânida Febe, mãe de Diana e Apolo com Júpiter. (Mourão, 1987).

Nota: = (UA)* Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

Boas observações!


Bibliografia:

Mourão, Ronaldo Rogério de Freitas - Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica, Ed. Nova Fronteira, Rio de Janeiro (RJ) - 1987, 914P.

Campos, Antônio Rosa - Almanaque Astronômico Brasileiro 2011, Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais) Belo Horizonte (MG) - 2010, 93P.

O Asteroide (63) Ausonia em 2011

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB


Em 24 de novembro próximo, o asteroide (63) Ausonia estará em sua máxima aproximação a Terra, quando sua magnitude em torno de 11.0 poderá estar dentro dos limites de magnitudes observáveis de instrumentos óticos de porte médios, o que faz com que binóculos e outros equipamentos de menor porte fiquem fora deste limite observacional. A tabela abaixo apresenta suas efemérides e bem como uma carta de busca, objetivando para sua localização nos próximos dias.

Como demonstra seu número em ordem de descoberta, Ausonia foi descoberto em 10 de fevereiro de 1861 pelo astrônomo italiano Annibale de Gasparis (1819-1892) no Observatório de Capadimonte, Nápoles. Seu nome é homenagem de Capocci aos ausônios, primeiros habitantes da Itália. Os ausônios eram, segundo a lenda, descendentes de Ausônio, um filho de Ulisses e Calipso, que governou a Península itálica. O asteróide, a princípio, teve a denominação de Itália. (Mourão, 1987).

Nota: = (UA)* Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

Boas observações!

Bibliografia:

Mourão, Ronaldo Rogério de Freitas - Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica, Ed. Nova Fronteira, Rio de Janeiro (RJ) - 1987, 914P.

Campos, Antônio Rosa - Almanaque Astronômico Brasileiro 2011, Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais) Belo Horizonte (MG) - 2010, 93P.

O Asteroide (12) Victoria em 2011

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB

Em 06 de dezembro próximo, o asteroide (12) Victoria estará em sua máxima aproximação a Terra, quando sua magnitude em torno de 10.5 poderá estar dentro dos limites de magnitudes observáveis de instrumentos óticos de porte médios, o que faz com que binóculos e outros equipamentos de menor porte fiquem fora deste limite observacional. A tabela abaixo apresenta suas efemérides e bem como uma carta de busca, objetivando para sua localização nos próximos dias.


Como demonstra seu número em ordem de descoberta, Victoria foi descoberto em 13 de setembro de 1850 pelo astrônomo inglês John Russel Hind (1823 - 1895) no Observatório de Londres. (Mourão, 1987).

Nota: = (UA)* Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

Boas observações!

Bibliografia:

Mourão, Ronaldo Rogério de Freitas - Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica, Ed. Nova Fronteira, Rio de Janeiro (RJ) - 1987, 914P.

Campos, Antônio Rosa - Almanaque Astronômico Brasileiro 2011, Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais) Belo Horizonte (MG) - 2010, 93P.

O Asteroide (29) Amphitrite em 2011

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB

Em 05 de Novembro próximo, o asteroide (29) Amphitrite estará em sua máxima aproximação a Terra, quando sua magnitude em torno de 8.7 portanto, já dentro dos limites de magnitudes observáveis de pequenos instrumentos óticos, binóculos, lunetas e telescópios. A tabela abaixo apresenta suas efemérides e bem como uma carta de busca, objetivando para sua localização nos próximos dias.

Como demonstra seu número em ordem de descoberta, Amphitrite foi descoberto em 01 de março de 1854, pelo astrônomo alemão Albert Marth (1828-1897) no seu Observatório de Bishp em Londres. O seu nome é alusão à deusa do mar, Anfitrite, esposa de Netuno e mãe de Tritão. (Mourão, 1987).

Nota: = (UA)* Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

Boas observações!

Bibliografia:

Mourão, Ronaldo Rogério de Freitas - Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica, Ed. Nova Fronteira, Rio de Janeiro (RJ) - 1987, 914P.

O Eclipse Total do Sol em 02 de julho 2019.

Antônio Rosa Campos Em 02 de julho próximo ocorrerá o terceiro eclipse de 2019, sendo que nesta oportunidade o eclipse será total e vis...