sexta-feira, 1 de junho de 2018

A oposição de Saturno em 27 de junho 2018

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil – AWB


Não resta a menor sombra de dúvidas que um dos planetas mais belos objetos de todo o Sistema Solar seja o gigantesco planeta Saturno. Ele é conhecido desde a mais remota antiguidade e a simples visão apresenta-se como uma estrela de primeira grandeza de coloração amarelada. Seus registros de ocultações pela Lua na antiguidade datam de 21 de fevereiro de 583 a.C em Atenas e a sua conjunção com Gamma Virginis (Porrima) foi registrada pelos astrônomos caldeus, na Babilônia, em 1 de março do ano 228 a.C (MOURÃO, 1982). A ocultação da estrela 28 Sagittarii por Saturno ocorrida em 02 de julho de 1989, também foi amplamente acompanhada por diversos observadores.



A região celeste a qual poderemos encontrar Saturno e bem conhecida dos astrônomos até mesmo pela quantidade de objetos Deep-Sky existentes naquela região (figura 1 e tabela 2). Assim certamente ele juntamente com as conhecidas estrelas da constelação de Sagittarius certamente estará compondo o céu com belas conjunções.

O Planeta

Saturno e integrante necessário da lista de objetos observáveis nas atividades observacionais de diversos observatórios, clubes de astronomia e planetários que realizam observação ótica também com seus visitantes. Em nossas visitas realizadas às escolas, podemos novamente apreciar o efeito Uau pelo público presente, quando os estudantes são aqueles que mais ficam admirados pela beleza deste planeta. Um exemplo claro e a fotografia realizada pelo observador brasileiro Antonio Martini Júnior (figura 2) abaixo, quando constatam isso através da ocular; com a mais absoluta certeza, será o centro das atenções neste período em qualquer Star Party.


Nesta oportunidade Saturno estará a uma distância da Terra de 9.0488903 u.a (1.353.694.714 Km), com um diâmetro aparente 18.29", magnitude visual 0.0 e a elongação obviamente de 179.15°. Você pode utilizar as efemérides (Tabela 1) para plotagem deste planeta que se encontram publicadas no Almanaque Astronômico Brasileiro de 2018 (figura 3 – ilustrativa), fazendo gratuitamente o download no seguinte link: https://goo.gl/kniuMW


Os satélites de Saturno

Além da sua fantástica visualização quando empregamos um telescópio em nossas observações o que chamará também a atenção de um observador mais atento à configuração de seus principais satélites naturais, e a correta identificação individual de satélites naquele momento sendo uma gratificante atividade; no dia de sua oposição, a figura 4 abaixo poderá ser facilmente utilizada como guia para essa finalidade, pois eles estarão no campo de visão de nossas oculares. 

 

Importância

Nestas ocasiões a observação de Saturno fica mais evidenciada e em algumas épocas temos como perceber (desde que se utilize equipamentos de abertura de 450mm ou maiores) particularidades interessantes do planeta como uma sutil diferença de cores em sua alta atmosfera; 

As oposições planetárias são uma fantástica oportunidade para todos os observadores buscarem detalhes observacionais, uma vez que poderão ser registradas mudanças interessantes no planeta. Desta forma esses registros serão bem significativos, constituindo então uma excelente oportunidade para que todos possam elaborar e manter um registro de dados destas observações.

Notas:
1 = (ua)* Conforme a Resolução da IAU 2012 B2, acolhendo proposta do grupo de trabalho “Numerical Standards for Fundamental Astronomy”, redefiniu-se a unidade astronômica de comprimento correspondendo à distância media da Terra ao Sol equivalendo assim a 149.597.870.700 metros, devendo ser representada unicamente por au (“astronomical unit”) OAM (2015).

Boas Observações!

Referências:

- MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica. Rio e Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1987,  914P.

- _________. Da Terra às Galáxias. Ed. Vozes Ltda. 3ª Ed. revista e ampliada, 1982. 359P. 

- CAMPOS, Antônio Rosa. Almanaque Astronômico Brasileiro 2018. Belo Horizonte: Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), 2017. 136p. Disponível em: < https://goo.gl/kniuMW> Acesso em 02 Dez 2017.

- CHEVALLEY, Patrick. SkyChart / Cartes du Ciel - Version 3.8, March. 2013. Disponível em:   <http://ap-i.net/skychart/start?id=en/start>. - Acesso em: 26 Nov. 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Eclipse Parcial da Lua em 16 de julho 2019.

Antônio Rosa Campos Em 16 de julho próximo teremos a ocorrência do segundo eclipse lunar, sendo este de forma parcial, cuja região de v...