quinta-feira, 1 de março de 2018

O asteroide (54) Alexandra em 2018

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil – AWB

Em 22 de abril próximo, o asteroide Alexandra estará com seu posicionamento favorável às observações (fase da Lua = +0.398), quando então sua magnitude chegará a 11.3, portanto dentro dos limites de magnitudes observáveis de instrumentos óticos de médio e pequeno porte. A tabela abaixo apresenta suas efemérides e bem como uma carta celeste ilustrativa, objetivando sua localização nos próximos dias. 

Como demonstra seu número em ordem de nomeação indicado acima entre parênteses, 54 Alexandra foi descoberto em 10 de setembro de 1858 pelo astrônomo alemão Hermann Goldschmidt (1802-1866) no Observatório de Paris. O nome é uma homenagem ao naturalista alemão Alexander von Humboldt (1769-1859). (MOURÃO, 1987).

Notas:
1 = (ua)* Conforme a Resolução da IAU 2012 B2, acolhendo proposta do grupo de trabalho “Numerical Standards for Fundamental Astronomy”, redefiniu-se a unidade astronômica de comprimento correspondendo à distância media da Terra ao Sol equivalendo assim a 149.597.870.700 metros, devendo ser representada unicamente por au (“astronomical unit”) OAM (2015).

2 = As coordenadas equatoriais ascensão reta e declinação (J2000.0) são apresentadas no formato HH:MM:SS (hora/grau, minuto e segundo).

Referências:

- MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica. Rio e Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1987,  914P.

- CAMPOS, Antônio Rosa. Almanaque Astronômico Brasileiro 2018. Belo Horizonte: Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), 2017. 136p. Disponível em: < https://goo.gl/kniuMW> Acesso em 02 Dez 2017.

- CHEVALLEY, Patrick. SkyChart / Cartes du Ciel - Version 3.8, March. 2013. Disponível em:   <http://ap-i.net/skychart/start?id=en/start>. - Acesso em: 26 Nov. 2015.


O asteroide (22) Kalliope em 2018

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil – AWB

Em 01 de abril próximo, o asteroide Kalliope estará com seu posicionamento favorável às observações (fase da Lua = -0.996), quando então sua magnitude chegará a 10.9, portanto dentro dos limites de magnitudes observáveis de instrumentos óticos de médio e pequeno porte. A tabela abaixo apresenta suas efemérides e bem como uma carta celeste ilustrativa, objetivando sua localização nos próximos dias. 



 Como demonstra seu número em ordem de nomeação indicado acima entre parênteses, 22 Kalliope foi descoberto em 16 de novembro de 1852 pelo astrônomo inglês John Russel Hind (1823 - 1895) no Observatório de Londres (MOURÃO, 1987).

Conforme descrito na IAUC No. 7703, W.J. Merline do Southwest Research Institute (SRI) e F. Ménard do Observatoire de Grenoble reportaram que, com a colaboração de (L. Close, da Universidade do Arizona; C. Dumas do Jet Propulsion Laboratory;  C.R. Chapman e D.C Slater, SRI) a detecção de um satélite em órbita de (22) Kalliope em 02 de setembro de 2001. O S/2001 (22) 1 foi detectado com o telescópio franco-canadense-hawaiano, (com sistema de óptica adaptativa) de 3.6 m em Mauna Kea. Na mesma circular e informado que J.L. Margot e M.E. Brown do California Institute of Technology, apresentam a separação entre o primário e o secundário de  0".51 (1000 km), com imagens obtidas em 29 de agosto daquele ano, quando então utilizaram o telescópio Keck II também em Mauna Kea.

Já na Circular No. 8177 (08, Aug. 2003) é informado que o Committee on Small Bodies Nomenclature (CSBN), adotou o nome "Linus" para o satélite S/2001 (22) 1, orbitando em torno de (22) Kalliope.

John Russell Hind teve seu nome imortalizado na superfície lunar, quando uma cratera de 29 Km de diâmetro e 3 Km de profundidade, localizada nas coordenadas selenográficas LAT: 07° 54' 00 S e LON: 007° 24' 00 E, foi nomeada oficialmente em 1935 como HIND, pelo Working Group for Planetary System Nomenclature (WGPSN), da International Astronomical Union (IAU). Hind também descobriu e observou estrelas variáveis, além de descobrir Nova Ophiuchi 1848 (V841 Ophiuchi), a primeira nova dos tempos modernos (desde a supernova SN 1604).

Esse relevo foi registrado fotograficamente em duas oportunidades pela equipe do Vaz Tolentino Observatório Lunar (VTOL), em 24 de agosto de 2012 e 01 de maio de 2013. A composição de ambas imagens poderá ser visualizada em: http://vaztolentino.com/imagens/7587-Cratera-HIND

Notas:
1 = (au)* Conforme a Resolução da IAU 2012 B2, acolhendo proposta do grupo de trabalho “Numerical Standards for Fundamental Astronomy”, redefiniu-se a unidade astronômica de comprimento correspondendo à distância media da Terra ao Sol equivalendo assim a 149.597.870.700 metros, devendo ser representada unicamente por au (“astronomical unit”) OAM (2015).

2 = As coordenadas equatoriais ascensão reta e declinação (J2000.0) são apresentadas no formato HH:MM:SS (hora/grau, minuto e segundo).

Referências:

- MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica. Rio e Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1987,  914P.

- CAMPOS, Antônio Rosa. Almanaque Astronômico Brasileiro 2018. Belo Horizonte: Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), 2017. 136p. Disponível em: < https://goo.gl/kniuMW> Acesso em 02 Dez 2017.

- CHEVALLEY, Patrick. SkyChart / Cartes du Ciel - Version 3.8, March. 2013. Disponível em:   <http://ap-i.net/skychart/start?id=en/start>. - Acesso em: 26 Nov. 2015.



- TOLENTINO, Ricardo J. Vaz; (VTOL) Disponível em: < http://vaztolentino.com/imagens/7587-Cratera-HIND > - Acesso: 13 Nov. 2017.

O asteroide (21) Lutetia em 2018

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil – AWB

Em 11 de abril próximo, o asteroide Lutetia estará com seu posicionamento favorável às observações (fase da Lua = -0.255), quando então sua magnitude chegará a 10.8, portanto dentro dos limites de magnitudes observáveis de instrumentos óticos de médio e pequeno porte. A tabela abaixo apresenta suas efemérides e bem como uma carta celeste ilustrativa, objetivando sua localização nos próximos dias. 

Como demonstra seu número em ordem de nomeação indicado acima entre parênteses, 21 Lutetia foi descoberto pelo astrônomo amador alemão Hermann Goldschmidt (1802-1866) em Paris em 15 de novembro de 1852. Seu nome é uma alusão ao vocábulo latino que significa Paris, assim designado pelo astrônomo francês François Jean Dominique Arago (1786-1853) em homenagem à cidade onde foi descoberto (MOURÃO, 1987).

Em 10 de julho de 2010, a Espaçonave Rosetta da ESA (Agência Espacial Europeia, por sua sigla em inglês = European Space Agency) sobrevoou (21) Lutetia a uma distância de 3170 km, quando então foi possível realizar 462 imagens do hemisfério norte deste asteroide, revelando mais de 50 por cento de sua superfície, revelando ainda ser esse objeto irregular com dimensões de 121 x 101 x 75 km.

Mais de 350 crateras foram identificadas com diâmetros variando de 600 metros a 55 km e uma profundidade de até 10 km. Os dados obtidos pela Rosetta indicam que (21) Lutetia é provavelmente um objeto do sistema solar inicial, um dos blocos de construção a partir da qual os demais planetas nasceram a 4,5 bilhões de anos.

Notas:
1 = (au)* Conforme a Resolução da IAU 2012 B2, acolhendo proposta do grupo de trabalho “Numerical Standards for Fundamental Astronomy”, redefiniu-se a unidade astronômica de comprimento correspondendo à distância media da Terra ao Sol equivalendo assim a 149.597.870.700 metros, devendo ser representada unicamente por au (“astronomical unit”) OAM (2015).

2 = As coordenadas equatoriais ascensão reta e declinação (J2000.0) são apresentadas no formato HH:MM:SS (hora/grau, minuto e segundo).

Referências:

- MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica. Rio e Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1987,  914P.

- CAMPOS, Antônio Rosa. Almanaque Astronômico Brasileiro 2018. Belo Horizonte: Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), 2017. 136p. Disponível em: < https://goo.gl/kniuMW> Acesso em 02 Dez 2017.

- CHEVALLEY, Patrick. SkyChart / Cartes du Ciel - Version 3.8, March. 2013. Disponível em:   <http://ap-i.net/skychart/start?id=en/start>. - Acesso em: 26 Nov. 2015.



- SCHULZ, Rita et al. Rosetta Reveals Mysterious Lutetia, ESA; Disponível em: 

A ocultação de Asellus Australis pela Lua em 27 de março 2018

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil – AWB

Em 27 de março próximo a Lua +77% iluminada e uma elongação solar de 122°, ocultará a estrela Asellus Australis (Delta Cancri) de magnitude 3.9 e tipo espectral K0III-IIIb (Figura 1). Proporcionando um belo espetáculo aos observadores munidos com pequenos instrumentos óticos como: binóculos, lunetas e telescópios; esse evento poderá ser observado em grande parte da América do Sul.

Desta forma, os observadores localizados na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela, poderão acompanhar os eventos de Desaparecimento e Reaparecimento desta estrela, conforme apresentado na tabela 1. 

Circunstâncias Gerais de visibilidade no Brasil

Não podemos deixar de mencionar ainda que além das localidades mencionadas na tabela 1, este evento também será visível em outras localidades do Brasil. Assim sendo, encontra-se disponível (figura 2 - Ilustrativa) para download no link: https://goo.gl/mNh8ND as condições de desaparecimento e reaparecimento para 493 municípios do Brasil localizados nas regiões centro oeste, sudeste e sul, bem como ainda o município de Brasiléia no estado do Acre.

Uma vez projetado no sul do oceano pacífico e já na faixa diurna do dia, a fase de reaparecimento desta estrela poderá ser observado da Polinésia Francesa (Papeete), conforme apresentado na tabela 2.

Além das circunstâncias de gerais de visibilidade e também de desaparecimento e reaparecimento acima mencionadas, abaixo apresentamos o mapa global (figura 3) com a faixa de visibilidade do fenômeno a qual abrange as respectivas regiões, ilhas e reservas naturais localizadas no Atlântico Sul e oceano Pacífico. 

Delta Cancri

A designação de Bayer para Delta Cancri e ainda 47 Cnc para o número de Flamsteed (figura. 4) indica tratar-se de um sistema triplo (STELLE DOPPIER, 2018). São também designações para essa estrela: HR 3461, BD+18 2027, HD 74442, SAO 98087, FK5 326 e ZC 1310 (WDS, 2014). 

Sites recomendados:

"Como observar"
"formulário de reporte"
(ocultações de estrelas por asteroides).

No Facebook:

“Ocultações Astronômicas”.

Este grupo destina-se à divulgação e discussão de eventos astronômicos na área de 'Ocultações'. Ocultações de estrelas e planetas pela Lua, ocultações de estrelas por asteroides e as técnicas empregadas para o registro destes eventos.

Boas Observações!

Referências:

- MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica. Rio e Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1987,  914P.

- CAMPOS, Antônio Rosa. Almanaque Astronômico Brasileiro 2018. Belo Horizonte: Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), 2017. 136p. Disponível em: < https://goo.gl/kniuMW> Acesso em 02 Dez.

- HERALD, Dave. Occult4 v4.1.0.27 (24 March. 2014) Uptade v4.2.0 available in: <http://www.lunar-occultations.com/occult4/occultupdate.zip> Acesso em: 28 Abr. 2016.

- WDS Washington Double Star Catalog: Epoch 2014.01.  <http://www.handprint.com/ASTRO/>. Acesso em: 10 set. 2014.

- STELLE DOPPIER - (Double Star Database). Available in: < http://stelledoppie.goaction.it/index2.php?iddoppia=40756> Acesso em: 10 Jan. 2018.

Curiosidades da Gnomônica - Relógio de Sol com canhão

Nelson Alberto Soares Travnik
nelson-travnik@hotmail.com
Observatório Astronômico de Piracicaba Elias Salum

Nos inúmeros tipos de Relógios de Sol, existe um singular, com poucos exemplares no mundo: Relógio de Sol que dispara um canhão quando o astro-rei atravessa o meridiano local. No Palácio Royal em Paris, existe um que dispara ao meio dia local (Fig.1). 


No Museu Nacional, outrora residência de D. Pedro II, situado no bairro de São Cristovão, Rio de Janeiro, existe um Relógio de Sol com canhão adquirido pelo Imperador na França em 1858. Foi calculado para a latitude de -22º 43” 22’ S do Rio de Janeiro. A base tem 22 X 3 cm de diâmetro e canhão com  16 cm (Fig. 2). 


O Relógio ficava sempre em seu gabinete de Astronomia. É provável que tenha sido utilizado pelo Imperador nas aulas que costumava ministrar para as crianças e jovens que iam visitar seu observatório no telhado do Palácio. O instrumento surgiu no tempo de Luiz XV. O Relógio do Imperador é considerado peça preciosa e rara pelo Museu do Relógio da cidade de Wuppertal na Alemanha.

Um outro Relógio de Sol com canhão (Fig. 3), foi inaugurado na Itália pela comunidade Santa Maria Villiana do Município de Gaggio Montano, para lembrar a libertação do Município pelos soldados da Força Expedicionária Brasileira, FEB, em 03 de março de 1945, ao apagar das luzes da 2ª Guerra Mundial. 


O Relógio foi projetado pelo arquiteto Renzo Righi e construído por Giuseppe Gandolfi em 2014. O Relógio foi calculado para a latitude de -22º 56” 43’ S, próxima do Rio de Janeiro e é obvio que foi construído para homenagear o Brasil e não para ser exposto em algum lugar para funcionar pois não o conseguiria nunca. Mas não é só. O mesmo G. Gandolfi já havia construído um outro Relógio de Sol com canhão, porém com a latitude de + 44º 14’ 38” N calculada para a Itália. São, pois, dois Relógios de Sol com canhão, um comemorativo e outro para funcionar. Por último, estando em Paris em 2011, por acaso deparei com uma fotografia (Fig. 4) de uma jovem segurando um Relógio de Sol com canhão e, ao ver esta fotografia, veio-me a idéia de construir um semelhante, o que aconteceu em abril/maio de 2016. 


O Relógio de Sol por mim construído tem uma base em mármore branco (mesa) de 60 cm de diâmetro, um gnomôm de aço inoxidável, um canhão modelo Idade Média com 18 cm e uma lupa com 6 cm de diâmetro.  O canhão foi doado pelo colega de São Paulo, Luigino Drioli e as gravações foram feitas pelo meu amigo Valdemar G. T. Neto de Americana, SP. O Relógio de Sol está calculado para latitude de -22º 42’ 30”.9 S que é do Observatório Astronômico de Piracicaba Elias Salum, órgão da Secretaria Municipal de Educação onde está instalado (Fig. 5). 


O diferencial do Relógio é que ele é rotativo, isto é, está solto em uma base que permite direcioná-lo para o Sol a qualquer hora do dia e assim fazer o canhão disparar. Isso foi feito e é indispensável nas visitas escolares para os alunos não somente verem o Relógio como também ver o canhão disparar. No caso dele estar instalado somente para o canhão disparar no momento do Sol atravessar o meridiano local, isso só se daria por volta das 12 horas quando não há escola no Observatório. Ele é parte do Museu do Tempo onde existe mais quatro tipos diferentes de Relógios de Sol. Há por conseguinte no Brasil, dois Relógios de Sol com canhão: um no Museu Nacional, guardado num cofre com objetos pessoais do Imperador e outro em Piracicaba/SP, no Observatório Astronômico e que é largamente utilizado nas visitas escolares. 

Nelson Alberto Soares Travnik é diretor do Observatório Astronômico de Piracicaba Elias Salum e Membro Titular da Sociedade Astronômica da França.

O Planetário Escorpio

José Fabbro
planetarioescorpio@gmail.com
Planetario Escorpio

Estimados directivos y docentes:

De nuestra mayor consideración:

Tenemos el agrado de dirigirnos a Uds. para ofrecerle nuestro servicio de planetario móvil íntegramente transportable a su Establecimiento. Este medio consiste en la instalación de una carpa o domo inflable semiesférico, dentro del cual se proyectan imágenes astronómicas del Universo, con los efectos visuales y sonoros más sorprendentes y el apoyo educativo adecuado a los distintos niveles y contenidos pedagógicos. Cuenta con todas las virtudes de los grandes planetarios fijos en su capacidad de representación estelar de la bóveda celeste, pero con la enorme ventaja de poder recibirlo directamente en su entidad educativa, con la más sencilla instalación y una utilización completamente segura.

Los alumnos tendrán una experiencia única e inolvidable. Por ello, nuestro planetario móvil supera provechosamente los medios áulicos convencionales y conforma el medio o ámbito didáctico ideal para este tipo de aprendizaje.

Nuestro planetario portátil cuenta con todas las medidas de seguridad exigidas por la Dirección General de Cultura y Educación.

Con el fin de explicar mejor nuestra propuesta y brindarles mayor información, comuníquense a los teléfonos 4662-2729 / 15-5 703-5469, vía e-mail a planetarioescorpio@gmail.com, o en nuestra página Web http://www.planetarioescorpio.com.ar, y responderemos con gusto sus inquietudes.

Desde ya, agradece su atención y los saluda atentamente. 


O Eclipse Total do Sol em 02 de julho 2019.

Antônio Rosa Campos Em 02 de julho próximo ocorrerá o terceiro eclipse de 2019, sendo que nesta oportunidade o eclipse será total e vis...