quarta-feira, 22 de junho de 2011

O Novo Cometa C/2011 L4 (PANSTARRS)

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB


Na noite de 05/06 de junho útima, o cometa denominado C/2011 L4 (PANSTARRS) foi encontrado pela equipe do Telescópio franco-canadense e hawaiano, em Mauna Kea. Esse telescópio de 1,8 metros de diâmetro equipado com a maior câmera digital do mundo (1,4 bilhão de pixels) gera cada imagem de quase 3 gigabytes de tamanho, e a câmera tem uma imagem aproximadamente a cada 45 segundos. A cada noite, as imagens do telescópio cobrem mais de 1.000 graus quadrados do céu noturno (uma área 5.000 vezes o tamanho da lua cheia).


Assim esse cometa foi descoberto, ao pesquisar o céu na procura de asteróides potencialmente perigosos (PHO), aqueles que um dia podem atingir a Terra. O Cometa C/2011 L4 foi batizado de PANSTARRS, visto que foi o segundo cometa descoberto com este telescópio, sendo o primeiro cometa descoberto denomindado, P/2010 T2 (PANSTARRS), sendo que pertencente a família Joviana (Júpiter) ele nunca irá se tornar brilhante o suficiente para ser visível sem o auxílio de um grande telescópio.

Ao que indica, esse objeto já havia sido observado na noite de 20 para 21 de maio, e através de mensurações dessas imagens, calcula-se que o cometa atingirá o periélio em torno de 10 março de 2013, com uma distância periélica de 0,30 UA, cerca de 45 milhões km ou 30% da distância da Terra ao Sol, já dentro da órbita do planeta Mercúrio.

Se os cálculos de órbita desse cometa indicam que seja parabólico, está será a primeira vez que ele chegará próximo do Sol, mas se isso for real, ele pode nunca mais retornar, porque ele possuirá uma excentricidade (uma medida de quão "não-circular" a órbita é) orbital próximo de 1.
Não será conhecido ainda por vários meses se a órbita é elíptica (excentricidade menor que 1), o que significará que seja um cometa periódico. Segundo aquela equipe, ele será observado ainda nos próximos meses, e isso permitirá melhores previsões do quão de brilho ele poderá alcançar.

Prever o brilho de cometas é difícil, como inúmeros cometas no passado que não conseguiram alcançar o brilho esperado. A dificuldade em fazer previsões de brilho reside no fato de que, os astrônomos não sabem com antecedência o quanto de gelo contém num cometa novo, isto porquê a sublimação do gelo (conversão de sólido para gás) é a fonte da atividade cometária e um dos principais contribuintes para o brilho total de um cometa; eventualmente, isto significará que as previsões de brilho mais precisas, não será possível até que o cometa se torne mais ativo, quando se aproximar do sol.

O cometa COMETA C/2011 L4 (PANSTARRS) está atualmente cerca de 1,2 bilhões de km do Sol, além da órbita de Júpiter. com uma magnitude de 18,5 tornando-se 100.000 vezes mais fraco para ser visto demasiado com algum significado, pois somente com um telescópio e um CCD sensível que pode ser observado. A geometria prevista da abordagem do cometa ao sol não é a ideal, ele vai passar por trás do sol, do lado oposto do Sol e a Terra. Isso vai tornar difícil a visualização deste cometa, visto que possui uma órbita altamente inclinada, e se aproximará da Terra e do Sol pelo sul, em seguida, passara para o céu do norte depois de seu periélio.

Em março de 2013, o cometa deverá estar baixo, visível no céu ocidental depois do ocaso do sol. O cometa está previsto para atingir cerca de uma magnitude basntante significativa próximo ao seu periélio, quando então será visivel juntamente com outras estrelas brilhantes.

Em março de 2013, espera-se que este cometa é baixa visível no horizonte oeste após o pôr do sol (que esconde o sol), mas o crepúsculo brilhante fará com que seja difícil a visualização. O cometa deve chegar a um fim magnitude para 1 (como o Pollux estrela em Gêmeos).

Este cometa é considerado oriundo da nuvêm de Oort: Uma nuvem de cometas com objetos localizados no exterior do sistema solar. Provavelmente ele foi perturbado por uma estrela distante gravitacionalmente, ocorrendo seu envio para uma longa jornada em direção ao sol; entretanto o cometa C/2011 L4 (PANSTARRS) dá aos astrônomos a rara oportunidade de estudar este material que talvez tenha-se formado na fase inicial do sistema solar.

Referências:
- http://www.ps1sc.org/blog/?p=319 - Acesso em 22/06/2011.
- http://ssd.jpl.nasa.gov/horizons.cgi#results - Acesso em 22/06/2011.

domingo, 19 de junho de 2011

O Asteroide (9) Metis em 2011

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB

Em 28 de julho próximo, o asteroide (9) Metis estará em sua máxima aproximação a Terra, quando então sua magnitude chegará a 9.6, portanto já dentro dos limites de magnitudes observáveis de pequenos instrumentos óticos, binóculos, lunetas e telescópios. A tabela abaixo apresenta suas efemérides bem como uma carta celeste de busca, objetivando sua localização nos próximos dias.


Como demonstra seu número em ordem de descoberta, Metis foi descoberto em 26 de abril de 1848 pelo astrônomo irlandês Andrew Graham (1815 - 1848) no Observatório Markree. O seu nome é referência a Metis, primeira esposa de Zeus (Júpiter), uma feiticeira que lhe ofereceu uma poção mágica que Cronos, ao beber obrigou-a a devolver seus filhos. (Mourão, 1987).

Nota: = (UA)* Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

Boas observações!


Bibliografia:

Mourão, Ronaldo Rogério de Freitas - Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronaútica, Ed. Nova Fronteira, Rio de Janeiro (RJ) - 1987, 914P.

Campos, Antônio Rosa - Almanaque Astronômico Brasileiro 2011, Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), Belo Horizonte (MG) - 2010, 93P.

O Asteroide (21) Lutetia em 2011

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB

Em 04 de julho próximo, o asteroide (21) Lutetia estará em sua máxima aproximação a Terra, quando então sua magnitude chegará a 9.4, portanto já dentro dos limites de magnitudes observáveis de pequenos instrumentos óticos, binóculos, lunetas e telescópios. A tabela abaixo apresenta suas efemérides e bem como uma carta celeste de busca, objetivando sua localização nos próximos dias.



Como demonstra seu número em ordem de descoberta, Lutetia foi descoberto pelo astrônomo amador alemão Hermann Goldschmidt (1802-1866) em Paris em 15 de novembro de 1852. Seu nome é uma alusão ao vocàbulo latino que significa Paris, assim designado pelo astrônomo francês François Jean Dominique Arago (1786-1853) em homenagem à cidade onde foi descoberto (Mourão, 1987).

Boas observações!

Nota: = (UA)* Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

Bibliografia:

Mourão, Ronaldo Rogério de Freitas - Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronaútica, Ed. Nova Fronteira, Rio de Janeiro (RJ) - 1987, 914P.

Campos, Antônio Rosa - Almanaque Astronômico Brasileiro 2011, Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais) Belo Horizonte (MG) - 2010, 93P.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Total Lunar Eclipse, June 2011 - Observational Report June 2011

1º - Team:
Antônio Rosa Campos - CEAMIG - REA/Brasil – AWB
Breno de Castro Campos – CEAMIG
João Batista França Nunes – CEAMIG
João Marcos de Almeida Pinto – VTOL
Ricardo José Vaz Tolentino - VTOL

2º - Observational Site:
Lat.: 20° 05' 05.4" S;
Long: 43° 57' 42,1" W;
Height.: 1.401 meters (above sea level)

3º - Equipments:
1 - MEADE 102 ED/APO EMC, 65.7 power;
2 - Refrator ORION EON 80mm ED APO, Tripot VIXEN Door and Camera ORION StarShoot Solar System III;
3 – Bushnell Binoculars 12 X 50;
4 – Stopwatch Casio 617 WL-100.

4º - Signal Time:
(National Observatory, Rio de Janeiro, RJ - Brazil) – Time Service Department - DSHO.

5º - Emersion:

6º - Contact U4 = 22:03:06:78

7º - Danjon Number (Estimate)
Estimate in 20:55 (TU) = Number in Danjon Scale = 1.5

8º - Lunar Magnitude:
Unable to perform this estimate. Moon near the horizon, a great amount of air pollution and the presence of clouds.

9º - Photograph Records:
In this photographic sequence, Professor Ricardo Tolentino was used Refractor Telescope Orion EON 80mm ED APO, Vixen Porta Tripod and Camera ORION StarShoot Solar System III. 

10º Image Gallery:


Reporte Observacional do Eclipse Total Lunar - Julho 2011

1º - Equipe:
Antônio Rosa Campos - CEAMIG - REA/Brasil – AWB
Breno de Castro Campos – CEAMIG
João Batista França Nunes – CEAMIG
João Marcos de Almeida Pinto – VTOL
Ricardo José Vaz Tolentino – VTOL

2º - Posto Observacional:
Lat.: 20° 05' 05.4" S;
Long: 43° 57' 42,1" W;
Alt.: 1.401 mt

3º - Instrumentos:
1 - MEADE 102 ED/APO EMC, 65.7 vezes;
2 - Refrator ORION EON 80mm ED APO, Tripé VIXEN Porta e Câmera ORION StarShoot Solar System III;
3 - Binóculo Bushnell 12 X 50;
4 - Cronômetro Cásio 617 WL-100.

4º - Sinal Horário
Observatório Nacional - RJ - Divisão Serviço da Hora - DSHO.

5º - Emersões:

6º - Contato U4 = 22:03:06:78

7º - Estimativas do Número de Danjon

Avaliação 20:55 (TU) = Número de Danjon = 1.5

8º - Magnitude lunar = Não foi possível realizar essa estimativa. Lua próxima linha do horizonte a grande quantidade de Poluição atmosférica e presença de nuvens.

9º - Registros Fotográficos:
Nesta sequência fotográfica, o professor Ricardo Tolentino utilizou-se do telescópio Refrator ORION EON 80mm ED APO, Tripé VIXEN Porta e da Câmera ORION StarShoot Solar System III.


10º - Galeria de Imagens.


terça-feira, 14 de junho de 2011

Circunstâncias do Nascer da Lua durante o eclipse de 15 junho 2011 para as capitais brasileiras


Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br

CEAMIG – REA/Brasil – AWB

Uma das principais dificuldades que poderá ocorrer para a observação do eclipse total lunar amanhã, será justamente a visibilidade da Lua no instante do nascer por 2 simples motivos:

1º - Ela já nasce no continente sulamericano dentro da totalidade do eclipse;

2º - Espera-se um eclipse bem escuro na totalidade visto as últmas atividades vulcânicas em torno do globo.

Aproveitando então as coordenadas de latitude, longitude e altitude dessas localidades constantes no Almanaque Astronômico de 2011, e fácil a elaboração dos valores de azimute nas capitais do Brasil, visto que a Lua, será quase invisível no céu em até 20 ou 30 minutos após os horários mencionados.


domingo, 5 de junho de 2011

O Eclipse Total da Lua de 15 junho 2011 - Principais características

Na quarta-feira de 15 de junho próximo, diversos observadores no mundo serão contemplados com mais um eclipse total da Lua. Nesta oportunidade eu e os amigos Breno Campos, João Marcos, João Batista F. Nunes e Ricardo Vaz Tolentino do (Vaz Tolentino Observatório Lunar), temos a oportunidade de registrar em conjunto as principais características de eclipse.

Abaixo, eu apresento além das principais características o esboço do eclipse que foi genialmente realizado pelo João Batista.



Para que todos possam conhecer, apresento-lhes as previsões de Imersão e Emersão das crateras que foi realizado pelo João Batista F. Nunes.


Nós ficaremos muito felizes em receber seus registros observacionais, para que possamos também conhecer seu trabalho na ocasião desses grandiosos espetáculos.

Você poderá tomar conhecimento desse planejamento observacional visitando os sites do CEAMIG e também do VTOL.

Ceús claros e boas observações!

O Eclipse Total do Sol em 02 de julho 2019.

Antônio Rosa Campos Em 02 de julho próximo ocorrerá o terceiro eclipse de 2019, sendo que nesta oportunidade o eclipse será total e vis...